I actually do...

Sábado, 18 de Outubro de 2008

Soneto inglês

 

Como o silêncio do punhal num peito,
O silêncio do sangue a converter
Em fio breve o coração desfeito
Que nas pedras acaba de morrer,

 

Vive em mim o teu nome, tão perfeito
Que mais ninguém o pode conhecer!
É a morte que vivo e não aceito;
É a vida que espero não perder.

 

Viver a vida e não viver a morte;
Procurar noutros olhos a medida,
Vencer o tempo, dominar a sorte,

 

Atraiçoar a morte com a vida!
Depois morrer de coração aberto
E no sangue o teu nome já liberto...

 

 

Alexandre O'Neill

seria bom se: a alma se apaziguasse
música: The Beatles - Hello, Goodbye
publicado por Raquel às 23:29
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16

20
21
22
24
25

26
27
28
29
31


últ. comentários
Gostei. Muito!
Pois é... O Kant e o Cícero sabiam muito destas co...
Não ligues ao que essa senhora diz, a sério...
"Já não a amo, é verdade, mas tanto que eu a amei....
"e até a alma está húmida..." *
Florbela, será pedir assim tanto?...
Apenas dar por dar.
Digo e repito-me...Don't be like that, dear friend...
Dona Raquel, dona Raquel...Precisamos as duas de a...
Também tenho saudades dessas, todos os dias...E é ...

blogs SAPO


Universidade de Aveiro