I actually do...

Sábado, 27 de Setembro de 2008

Soneto de Amor

 

Não me peças palavras, nem baladas,

Nem expressões, nem alma... Abre-me o seio,

Deixa cair as pálpebras pesadas,

E entre os seios me apertes sem receio.

 

Na tua boca sob a minha, ao meio,

Nossas línguas se busquem, desvairadas...

E que os meus flancos nus vibrem no enleio

Das tuas pernas ágeis e delgadas.

 

E em duas bocas uma língua..., - unidos,

Nós trocaremos beijos e gemidos,

Sentindo o nosso sangue misturar-se.

 

Depois... - abre os teus olhos, minha amada!

Enterra-os bem nos meus; não digas nada...

Deixa a Vida exprimir-se sem disfarce!

 

José Régio

seria bom se: (a tapar a boca c insistência)
música: Colbie Caillat - Realize
publicado por Raquel às 23:03
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quarta-feira, 24 de Setembro de 2008

7

Inclinado nas tardes...

 

Inclinado nas tardes lanço as minhas tristes redes

aos teus olhos oceânicos.

 

Ali se estira e arde na mais alta fogueira

a minha solidão que esbraceja como um náufrago.

 

Faço rubros sinais sobre os teus olhos ausentes

que ondeiam como o mar à beira dum farol.

 

Somente guardas trevas, fêmea distante e minha,

do teu olhar emerge às vezes o litoral do espanto.

 

Inclinado nas tardes deito as minhas tristes redes

a esse mar que sacode os teus olhos oceânicos.

 

Os pássaros nocturnos debicam as primeiras estrelas

que cintilam como a minha alma quando te amo.

 

Galopa a noite na sua égua sombria

derramando espigas azuis por sobre o campo.

 

Pablo Neruda, in Vinte Poemas de Amor e Uma Canção Desesperada

seria bom se:
música: Michael Bublé - Me & Mrs. Jones
publicado por Raquel às 22:38
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 19 de Setembro de 2008

Congresso de gaivotas neste céu

Como uma tampa azul colorindo o Tejo

Querela de aves, pios, escarcéu.

Ainda palpitante voa um beijo.

Donde teria vindo? (não é meu...)

De algum quarto perdido no desejo?

De algum jovem amor que recebeu

Mandato de captura ou de despejo?

 

Alexandre O'Neill

publicado por Raquel às 19:50
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 18 de Setembro de 2008

Quando uma criança mergulha o braço num vaso de embocadura estreita, para dele tirar figos e nozes, que lhe acontecerá se encher a mão? Não poderá retirá-la e chorará. «Larga alguns (diz-se-lhe) e retirarás a tua mão.» Faz o mesmo para com os teus desejos. Não desejes mais do que um pequeno número de coisas e obtê-las-ás.

 

Epitecto

seria bom se:
música: Ornatos Violeta - Chaga
publicado por Raquel às 11:25
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 11 de Setembro de 2008

Threesome!

seria bom se:
música: Queen - Friends will be friends
publicado por Raquel às 22:24
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Segunda-feira, 8 de Setembro de 2008

 

 

publicado por Raquel às 21:24
link do post | comentar | favorito

Sábado, 6 de Setembro de 2008

Cântico Negro

"Vem por aqui" - dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "Vem por aqui!".
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...

A minha glória é esta:
Criar desumanidade!
Não acompanhar ninguém.
- Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre a minha mãe!

Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...

Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: "vem por aqui!"?

Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí...

Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.

Como, pois sereis vós
Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?...
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...

Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria, tendes tectos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...
Eu tenho a minha Loucura!
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...

Deus e o Diabo é quem me guiam, mais ninguém.
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções!
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "Vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou.
É uma onda que se alevantou.
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou...
- Sei que não vou por aí!

 

José Régio

seria bom se:
música: Rui Veloso - Já não há canções de amor
publicado por Raquel às 00:24
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 2 de Setembro de 2008

(...) Na vida, concluiria um dia, todos têm direito a um grande amor. Uns achá-lo-iam num cruzamento perdido e com ele seguiriam até ao fim do caminho, teimosos e abnegados, até que a morte desfizesse o que a vida fizera. Outros estavam destinados a desconhecê-lo, a procurarem sem o descobrirem, a cruzarem-se numa esquina sem jamais se olharem, a ignorarem a sua perda até desaparecerem na neblina que pairava sobre o solitário trilho onde a vida os conduzira. E havia ainda aqueles fadados para a tragédia, os amores que se encontravam e cedo percebiam que o encontro era afinal efémero, furtivo, um mero sopro na corrente do tempo, um cruel interlúdio antes da dolorosa separação, um beijo de despedida no caminho da solidão, a alma abalada pela sombria angústia de saberem que havia um outro percurso, uma outra existência, uma passagem alternativa que lhes fora para sempre vedada. Esses eram os infelizes, os dilacerados pela revolta até serem abatidos pela resignação, os que percorrem a estrada da vida vergados pela saudade do que poderia ter sido, do futuro que não existiu, do trilho que nunca percorreriam a dois. Eram esses os que estavam indelevelmente marcados pela amarga e profunda nostalgia de um amor por viver. (...)

 

José Rodrigues dos Santos, in A Filha do Capitão (pp. 14-15)

seria bom se:
música: Madonna - Frozen
publicado por Raquel às 12:49
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
20

21
22
23
25
26

28
29
30


últ. comentários
Gostei. Muito!
Pois é... O Kant e o Cícero sabiam muito destas co...
Não ligues ao que essa senhora diz, a sério...
"Já não a amo, é verdade, mas tanto que eu a amei....
"e até a alma está húmida..." *
Florbela, será pedir assim tanto?...
Apenas dar por dar.
Digo e repito-me...Don't be like that, dear friend...
Dona Raquel, dona Raquel...Precisamos as duas de a...
Também tenho saudades dessas, todos os dias...E é ...
subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro